Energia Sustentável do Brasil comemora regitro concedido pela ONU ao PROJETO AHE JIRAU

Energia Sustentável do Brasil comemora regitro concedido pela ONU ao PROJETO AHE JIRAU

A Energia Sustentável do Brasil (ESBR), em comemoração ao registro da Usina Hidrelétrica Jirau no Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), concedido pela Organização das Nações Unidas (ONU), realizou em Brasília na terça-feira (27), evento para comemorar esta importante conquista para o setor energético brasileiro.

Estiveram presentes no evento o governador de Rondônia, Confúcio Moura; o Senador Valdir Raupp; os deputados federais Marinha Raupp, Sibá Machado e Moreira Mendes. Compareceram também o secretário executivo do ministério de Minas e Energia (MME), Márcio Zimmermann, e demais representantes dos ministérios do Meio Ambiente (MMA), do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O presidente da ESBR, Victor Paranhos, agradeceu o apoio do Governo Federal, da GDF Suez e demais parceiros que contribuíram para que Jirau fosse reconhecida como uma usina seriamente comprometida com o meio ambiente.

“Sou grato àqueles que contribuíram para obtermos esta certificação. Isso mostra a capacidade que o Brasil possui para crescer no setor energético”.Paranhos ainda falou a respeito da contribuição da empresa para o país. “O registro de Jirau no MDL é resultado dos esforços brasileiros para promover o crescimento econômico sustentável com base na energia renovável. A ESBR tem satisfação em contribuir para a expansão dessa matriz energética e de ter seu projeto registrado nas Nações Unidas”, finalizou.

Para Maurício Bähr, presidente da GDF Suez no Brasil, com a obtenção deste certificado, o projeto conseguiu mostrar que é possível produzir energia limpa. “Quebramos um paradigma com essa comprovação, Jirau é sustentável”, disse.

O presidente da Eletrobrás, José da Costa Carvalho, destacou que a UHE Jirau engradece o país e contribui para a implantação de uma nova política de energia.

Para Zimmermann, o registro da UHE Jirau no MDL da ONU é um feito que há alguns anos seria impensável. Segundo ele, o registro do empreendimento no MDL desmistifica a ideia de que a construção de uma grande hidrelétrica na Amazônia é incompatível com a preservação do meio ambiente e abre caminho para a construção de mais empreendimentos semelhantes naquela região. “O Ministério de Minas e Energia tem procurado viabilizar a construção de mais usinas. Teremos em breve o leilão da UHE Tabajara. Então, é importante identificar esse certificado de Jirau como um marco para o setor energético brasileiro.”

Ao final da cerimônia, o presidente da ESBR Victor Paranhos homenageou aqueles que participaram do processo de obtenção do registro, com a entrega de um tombstone – espécie de placa, em cristal, com desenhos que fazem referência à UHE Jirau, esculpidos a laser, em 3D.

O MDL

O registro da Usina Hidrelétrica Jirau no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) pela Organização das Nações Unidas, marca a conclusão do criterioso processo de validação do projeto por uma entidade certificadora designada pelas Nações Unidas, como também do processo de análise, conduzido pela Comissão Interministerial das Mudanças Globais do Clima, que é composta por representantes de 11 ministérios.

A UHE Jirau é a maior usina de energia renovável já registrada no MDL das Nações Unidas, confirmando sua sustentabilidade e viabilidade social e ambiental de empreendimentos hidrelétricos na Amazônia.

Jirau tem capacidade instalada de 3.750 MW e o potencial de gerar energia limpa para aproximadamente 10 milhões de domicílios brasileiros, o que permite substituir o equivalente em geração termelétrica com combustíveis fósseis, reduzindo, dessa forma, as emissões de gases de efeito estufa em aproximadamente seis milhões de toneladas de CO2 ao ano.

 

Fonte: Energia Sustentável do Brasil